Ser livreiro é ser mais alto

Os homens não se medem aos palmos. As mulheres também não. As pessoas não se medem aos palmos, mas há umas mais altas que outras. Todas são mais...

Agostinho da Silva, uma sabedoria despojada

Apetecia-me ouvi-lo de novo. Afagando o gato ou o contrário. Para ele, não havia meada que não desfiasse. Pegava-lhe pela ponta, dobava a palavra...

Mandela e a avó Maria

Da tolerância Passa hoje mais um ano sobre a libertação de Nelson Mandela. Símbolo maior da tolerância, soube ser magnânimo quando seria bem mais...

Nestes tempos de recato tenho a livraria fechada. Porque a isso sou obrigado. Como eu, muitos. Mantenho o site, mas são cada vez mais outros os...

Tempo de poetas

Demétrio nascera poeta. Poetava longe do porto e do bulício do mundo. Zeus avisara-o que não deveria poetar mais do que os Deuses. Poderiam...

Ali, no paraíso, corriam-se as lebres…

Ainda em Vila Viçosa, o Rei e o Príncipe não imaginariam, decerto, o que os esperaria. Na charneca alentejana, o ar era outro, os sorrisos que o...

O meu 31 de Janeiro…

Há dias, um cliente e amigo, pediu-me este livro. Procurei-o no local devido, que é mais ou menos aquele entre a porta e as paredes do fundo....

"...Cheiro a pó dos caminhos, a estradas brancas e calcinadas, a romarias longínquas, cheiro a secura e a suor. Fecho ainda os olhos... Silêncio no...

Infernos…

Por falar em infernos, hoje o diabo aviva memórias. Há dias assim. De quando em vez, mesmo o absurdo se relativiza e o bem mais supremo se torna...

Entretanto, os livros resistem. Como sempre. E também a arte. O que fica do que passa...

Escrever no limite

No Jornal "O Riachense" (20.I.21)  

E lembrei-me da velha casa. Paredes meias com ruas tão despidas. Velha, sábia, fria. Dos invernos que lhe passaram por cima. Da gente que nela se...

As flores não podem murchar…

É hoje o dia da última rega de um dos espaços mais autênticos de Lisboa. O Bernardo, sempre sóbrio, deixará de regar aquele jardim que o pai...

A gente não lê

Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras. Dizem e parece ser verdade. O clique certo no momento certo, uma lágrima ao canto do olho, um...

Hoje não seria dia de escrita para alguém que não escrevesse todos os dias. Para mim, naturalmente que o é. Faço-o sempre. O que seria começar o ano...

Pouco tenho escrito. Aliás, pouco tenho feito. Nestes tempos afogam-me os afagos. São mil mensagens de votos, devotos, promessas e coisas assim. São...

Hoje, ao chegar aqui para escrever qualquer coisa, lembrei-me de um Mestre. O Professor Doutor Esperança Pina, falecido há meses, depois de uma vida...

Num sábado que parece segunda, está um frio de rachar. Ou mais de enroscar, para quem pode. Depois do Natal (s)em família para uns, é hora de...

Estou confuso. Dou por mim a desejar um bom Natal, eu que de 'católico' tenho pouco. Nasci, fui baptizado e por aí fora, gosto muito de arte sacra e...

Um país a duas mãos

Confesso que prefiro o Stenaway da Maria João Pires ao Stawayay que nos querem impor. Lembro-me até de um texto que escrevi em Outubro de 2015 por...

Os últimos Cartuxos

(Há um ano escrevia isto. Parece que foi ontem...) Quando, no próximo dia 8 de Outubro aqueles portões se abrirem, nada será como dantes. A missa do...

Manguel

Um dia, num dia bom, passou por cá, pela Biblioteca de Torres Novas. Ele, o viajante, ele, o peregrino dos livros, ele e a sua sabedoria itinerante....

chego atrasado, mas a tempo. mais abaixo, sei que às nove em ponto os vizinhos dão a volta à chave. todos os dias de segunda a sábado, todos os...

Com um brilhozinho nos olhos

Já lá vão cinco anos quando o Sérgio fez setenta. Assinalei então a data com um texto-trocadilho que publiquei no Jornal Torrejano. Algum tempo...

Baudelaire

Olhar de alma inquieta, fato de fazenda grosseira e paletot pardacento, místico, irónico e perverso, se por dentro sofria, por fora, dolorosamente...

E. M. de Melo e Castro

Poeta. partiu...

O velho normal

Pediram-me um texto sobre esta coisa dos livros, sobre o que é isto de andar aos papéis, mergulhado nas histórias de uns e de outros, de muitos que...

Falei nisso há tempos. Do que fica do que passa. De uma arte que se grava na memória dos livros e na lombada do tempo. Que nobre arte aquela de bem...

Lembro-me dos leilões de livros do mestre Manuel Ferreira, no Porto. Salas cheias, catálogos sóbrios mas meticulosamente preparados, onde cada livro...

Ó O’Neill

Ó O'Neill isto agora por aqui está baril há uns donos disto tudo diz tu sobretudo disto que tu não vês mesmo de óculos ou binóculos molhos de muitos...

Esta história das baleias, que esteve para ser publicada durante muitos anos e não foi, tomou anos depois, a forma de livro. "Baleeiros do Faial"...

Atrás de mim, ali está, no dia mundial de todos os dias. Pascoaes gostou de se ver e assinou-se. Pelo seu próprio punho. E eu que não me canso de o...

Eça, 120 anos depois…

"... também por isso, ajeito o paletó, componho os suspensórios e regresso a Eça e àquela fraca mas enorme figura, seca de carnes, mas cheia de...

Brel I Balzac I Hugo I Sartre I Stendhal I Flaubert

Torga, 113 anos depois

"... Há em mim uma raiz anarquista que me não deixa tolerar o poder. Sou contra ele porque degrada tudo: quem o exerce e quem o tolera...", Miguel...

Jorge Amado

Porque passa mais um ano sobre o seu nascimento... Da Academia dos Rebeldes à Academia Brasileira de Letras, Amado, amou como ninguém o seu país, as...

Jazz em Agosto

Jazz em Agosto... no alfarrabista!... Herbie Hancock, Wynton Marsalis, Louis Armstrong, Ornette Coleman, Pat Metheney, Stan Getz, Helen Merrill,...

Tagore, a Sentinela da Índia

A Sentinela da Índia. Era assim que Gandhi, seu amigo pessoal, a ele se referia. Nunca ouvira falar dele até que um dia a Amanda de Sousa me...

O nevoeiro de Sebastião

Será porque passa mais um ano sobre o 'nevoeiro' de Sebastião, o nosso rei menino, que me lembrei do poeta que sobre tudo isso cantou? Ou será...

Entre canções de embalar e a canção da paciência. Visionário, o homem. Vejam bem, ainda. Quantos vampiros, meninos de bairros negros, meninas de...

Miguel Torga, um humanista de granito

Poderia ter sido pastor, cavador, até mesmo padre. Continuar por ali, caçando perdizes, perdido nas urzes, achado nas nuvens. Transmontano de...

E depois, há aquelas a quem o talento brota como à lua de quatro fases. Se cheia, das trevas apontam caminhos. Se nova, sabem esperar, que é virtude...

Van Gogh e o espírito santo de orelha

Foi com xilogravuras compradas em alfarrabistas de Antuérpia que forrou as paredes do quarto, onde se instalou antes de partir para Paris. Precisava de côr para lhe alegrar a alma.

Voltou o silêncio. No Mosteiro de S. Bento da Saúde é tempo de despoluir o ruído. Aos poucos, os poucos que salpicam as cadeiras terão bem mais com...

Quem me dera, Amália…

Há um país onde não te cabe o nome Há todo um povo onde te não cabe a alma E há uma voz. Apenas uma. A tua. Podem agora chorar-te todas as lágrimas...

Dos livros por trás das estantes

Nos livros por trás das estantes, nas notas ou nos prefácios, tropeçamos com pequenas detalhes, daqueles que fazem a diferença. Por cá, não são...

O velho e o mar

Quatro velhos sacos de farinha remendavam a vela. Santiago, o velho Santiago, de cicatrizes sulcadas, olhos da cor do mar, coração da cor dos olhos,...

E aos poucos, aos manuscritos também…

Sair de cena dando lugar aos livros. Meia dúzia de linhas sobre um autor ou um pequeno livro, um desabafo ou uma citação mais profunda, uma...

Lins do Rego

Pode o neto de um homem rico ter inveja dos moleques de bagaceira? E que memórias da negra Pia lá do Engenho, onde cabia todo o mundo que conhecia?...

Os desabafos de António Nobre

Que sombras poderão esconder um poeta? E que luzes o alumiam? Casais Monteiro, na Introdução às Cartas Inéditas alerta-nos: " A sua poesia (de...

Sugestões

0

Carrinho